Quinta-Feira, 24 de Julho de 2014.

Colocar o site como página inicial
O Blog do Suinocultor

Meio Ambiente

26/01/10 - 15:26 - Fonte: Diário Catarinense

Dejeto de suíno na lavoura

          Os dejetos da suinocultura, que até bem pouco tempo eram considerados poluentes dos rio da região de Armazém e Braço do Norte, no Sul do Estado, ganharam uma utilidade ecológica e econômica em boa parte das lavouras de milho desses municípios. As toneladas de esterco viraram adubo que melhoraram a produção e ainda reduziram custos para os produtores.

          De acordo com o chefe da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Epagri) de Tubarão, Luiz Marcos Borá, o aproveitamento dos dejetos ocorre há mais de cinco anos e é praticado por cerca de 1,5 mil agricultores da região. O adubo orgânico melhora o solo e aumenta a capacidade de produção. "Os adubos químicos têm nitrato, fósforo e potássio, enquanto os dejetos orgânicos são compostos de cálcio, zinco, enxofre e vários outros nutrientes que fortalecem a terra e a plantas".

          O sistema é simples, mas requer um investimento não tão baixo. É preciso um motor para bombear o esterco dos tanques de suínos, uma mangueira que chegue até a lavoura e um pulverizador. A ideia só funciona onde a lavoura fica a menos de três quilômetros do tanque.

          Um dos agricultores que abraçaram a ideia é Adalto Wesning. A lavoura de milho da família, na localidade de São Cristóvão, em Armazém, teve a produtividade melhorada."O milho veio bem mais bonito e em quantidade maior. Como é um produto natural, a terra absorve melhor e não polui o meio ambiente".

          Wesning gastou R$ 3,5 mil com mil metros de de mangueira especial e outros R$ 500 para o pulverizador. Foi um investimento alto, mas ele não precisou gastar os mais de R$ 2 mil em adubo químico a cada safra. A irrigação lembra a de um gramado ou jardim. O canhão fica jorrando os dejetos líquidos em movimentos circulares e toda a terra é adubada. "Essa adubação só precisa ser feita duas vezes. Uma logo depois de preparar a terra e a última quando as plantas estão bem pequenas" ressalta Adalto Wesning.
                   

Voltar |

Todos os direitos Reservados - Telefone: 55 3512-6506